sábado, 29 de agosto de 2009

Trilhas Sonoras famosas do Cinema

O que seria dos filmes sem a música? É ela que consegue criar o clima perfeito da cena, seja num filme de comédia, suspense, romance ou ação. A música faz com que você sinta o filme com os ouvidos, e muitas delas ficaram eternizadas pelo fato de fazer parte de tal filme e nesse post vou falar das mais marcantes e deixar um link para quem quiser ouvi-las.

Curtindo a vida adoidado: Quando pensamos nesse filme a primeira coisa q vem a mente são duas músicas:

Oh Yeah-Yello= o q melhor representa o filme, a música não tem nada a ver com nada mas caiu como uma luva para o longa.

Twist and Shout-The Beatles= música q embala uma das melhores cenas do filme.

Armaggedon: I Don’t want miss a thing-Aerosmith= música envolvente assim como o filme

Closer Perto demais: um filme emocionante com uma música q o  representa bem. The Blower’s Daughter-Damien Rice

Rocky: Eye of the tiger-Survivor

Pulp Fiction Tempos de Violência: Esse filme perfeito do genio Quentin Tarantino é repleto de cultura pop, e isso inclui músicas famosas entre elas, as melhores são:

Misirlou-Dick Dale= música envolvente (foda!!!!!!) q inicia o filme juntamente com as apresentações.

Girl you‘ll be a woman soon-Urge Overkill= com um bom ritmo, embala a dança da gostosa Uma Thurman no filme.

O Casamento do meu Melhor Amigo: uma das cenas mais improvaveis do cinema é embalada por essa música: I Say a Little prayer for you-Aretha Franklin

Ghost Do outro lado da vida: A música q toca durante a encoxada de Patrick Swayze na Demi Moore espiritualmente:Unchained Melody-Righteous Brothers

O Procurado: Esse filme tem uma das músicas mais fodas que eu já ouvi: The Little Things-Danny Elfman

Titanic: Toda vez que essa música toca não tem como não associar ao filme: My Heart will go on-Celine Dion

Exterminador do Futuro 2: Filme que tem como trilha sonora a frenética música do Guns: You Could Be Mine-Guns N’ Roses

Uma Linda Mulher: Trilha inesquecivel: Pretty Woman-Roy Orbison

Kill Bill: Mais um filme do Tarantino com uma trilha sonora que encaixa perfeitamente ao filme, de modo que não consegui destacar uma só música e vou botar um link para todas as músicas do album: Kill Bill. Destaque para as músicas Twisted Nerve e Ironside.

Além das músicas externas, existem as músicas criadas para o filme, na maioria das vezes não tem voz, é apenas instrumental, e que ajuda a compor o clima da situação no filme. Filmes como Psicose, O Iluminado, Austin Powers, Apocalypse Now e Beleza Americana não seriam nada se não fossem suas trilhas sonoras. Veja algum deles:

Beleza America

Apocalypse Now

Star Wars

Missão Impossivel

Tubarão

2001

Essas foram algumas músicas q ajudam a compor o cenário mágico dos filmes, quem quiser a música d algum filme especial deixe um comentário q eu respondo.

domingo, 16 de agosto de 2009

Batalha dos Filmes- Apocalypse Now X Platoon

Para começar essa nova seção, decidi começar já bombardeando tudo- literalmente- com esses duas obras primas q tem em comum o seu tema, que é a Guerra o Vietnã. Então, peguem suas armas, pois acabam de chegar no inferno vietnamita.

Apocalypse Now

Enredo:

Esse filme tem um enredo bem simples: o capitão Benjamim Willard (Martin Sheen) recebe a missão de assassinar o Coronel Kurtz (Marlon Brando) que enlouqueceu e está agora liderando um exercito rebelde na fronteira entre o Vietnã e o Camboja em plena guerra. O enredo pode ser simples, mas na guerra nada é simples, e essa viagem q Willard tem q fazer até chegar ao seu alvo aguarda muitas situações inesperadas de pura violência e insanidade, transformando o filme numa descida ao mais terrivel inferno, tanto interior quanto exterior, onde a maior recompensa é permanescer vivo. O filme ainda conta no elenco com Dennis Hopper, Laurence Fishburne (sim o Morpheus de Matrix) ainda novinho com apenas 14 anos e com Robert Duvall q faz o meu personagem favorito do filme, o irreverente Coronel Kilgore. Direção do aclamado Francis Ford Coppola, responsável pela obra prima: Poderoso Chefão.

Crítica:

Esse é um filme grandioso, tenho q admitir. Só Coppola sabe o inferno q foi filmar esse filme, onde tudo deu errado-não entrarei em detalhes para q o texto não fique muito longo- mas q no fim deu certo. Eu vi o filme pela Coleção Cinemateca Veja q estava vendendo a versão REDUX q tinha mais de 3h de duração, de forma q foi meio cansativo de assistir, mas isso não o fez menos interessante. Mas, tenho q confessar q não foi um filme q me emocionou, ou q me deixou totalmente boquiaberto, muitos vão me crucificar por ter dito isso, mas foi o q eu senti, não estou dizendo q o filme é ruim, apenas q não me emociou. Os efeitos são bons, o filme tem partes bem psicodélicas, com shows de luzes e fogos de artificio e a trilha e os efeitos sonoro são ótimos. Eu gostei, mas acho q se tivesse visto a versão original, acho q gostaria mais, já q a REDUX, deu menos ritmo ao filme.

Cenas marcantes:

*Ataque aéreo ao som de Cavalgadas das Valquirias (minha cena preferida)

*Morte de Kurtz

Frases Marcantes:

*Coronel Kilgore: Eu adoro o cheiro de Napalm pela manhã (I love the smell of Napalms in the morning)

*Coronel Kilgore: Se eu digo que é seguro surfar nessa praia, é porque é seguro surfar nessa praia.

*Coronel Kurtz: Oh horror, oh horror.

Prêmios e colocações em listas famosas:

*Ganhou 2 Oscars e foi indicado a 6, incluindo o de melhor filme

*3 globos de ouro: diretor, roteiro adaptado e ator coadjuvante (Robert Duvall)

*Palma de Ouro em Cannes

*28º lugar na lista dos 100 melhores filmes do American Films Institute (AFI)

* A frase “Eu adoro o cheiro…” ocupa o 12º lugar na lista de melhores frases do AFI

Platoon

Enredo:

O filme conta a história de Chris Taylor (Charlie Sheen q é filho de Martin Sheen, q fez o protagonista de Apocalypse Now, como vcs viram), jovem idealista q larga a universidade e se alista no exército para lutar na Guerra do Vietnã. Ele faz isso, pensando q está realizando uma missão patriótica, mas acaba conhecendo o verdadeiro horror da guerra, e ve q não há nada de patriótico em seus atos. No pelotão (em inglês: Platoon) há dois sargentos q os comanda: Elias Grodin q é mais preocupado com os soldados (vivido magnificamente por Willem Dafoe) e Bob Barnes q é mais grosso e violento (Tom Berenger), e devido a suas personalidades opostas, os dois enfrentam uma rivalidade constante. Aos poucos, Taylor vai perdendo sua inocencia e afundando cada vez mais na escura realidade da guerra. No elenco ainda estão: Johnny Deep numa de suas primeiras participações (quase sem falas) e Forest Whitaker.

Crítica:

Eu acho Platoon um ótimo filme q retrata muito bem as dificuldades da guerra, não só no plano fisico, mas também no emocional. Ele mostra bem o interior de seus personagens, os seus medos, conquistas e sentimentos sobre tudo q esta acontecendo em sua volta. Ao meu ver o filme todo é uma metafora, de modo q seus personagens contribuem para isso. Podemos ver claramente q o sargento Barnes é o lado mal e vil do ser humano, enquanto Grodin é o lado bom, filosófico e reflexivo, e isso se confirma com a sua morte pelo Barnes, q de forma brilhante mostra q na guerra coisas boas são mortas por coisas ruins-sinistro. Esse é um grande filme q tem uma sicronia perfeita entre as cenas de ação e as cenas de reflexão, e q consegue te colocar dentro da guerra. Nós conseguimos visualizar toda a sua crueldade e insanidade, em todas as suas formas de representação. Eu recomendo.

Cenas Marcantes:

*Morte de Elias Grodin

Frases Marcantes:

*Chris Taylor: “A guerra acabou para mim agora, mas sempre estará viva para o resto dos meus dias.”

Prêmios e colocações em listas famosas:

*Ganhou 4 Oscars: Melhor Filme, diretor, montagem e som. Além de ser indicado em mais 3 categorias: melhor ator coadjuvante (Tom Berenger e Willem Dafoe), roteiro original e fotografia.

*Urso de Prata de melhor diretor no Festival de Berlim

*3 Globos de Ouro: melhor filme dramático, diretor e ator coadjuvante (Tom Berenger), além de ser indicado também a melhor roteiro.

*Prêmio de melhor diretor pelo Sindicato dos Diretores de Cinema (DGA)

*2 BAFTAs (British Academy of Films and Television Arts) de melhor diretor e montagem, e foi indicado a melhor fotografia também.

*Na lista da AFI de 100 melhores filmes, ocupa a 83º posição.

PLACAR

Categorias

Apocalypse Now

Platoon

Enredo

0

1

Minha Crítica

0

1

Cenas Marcantes

1

0

Frases Marcantes

1

0

Elenco

0

1

Trilha Sonora

1

0

Efeitos

1

1

Personagens

1

1

Oscar

0

1

Outros Prêmios

0

1

Colocações na AFI

1

0

Total

6pts

7ts

Vencedor: Platoon

Os dois filmes são muito bons, mas realmente Platoon é melhor na questão reflexiva, já q não trata a guerra como um filme de ação cheio de explosões e tiroteios, mas sim um filme dramatico, onde seus personagens estão, na verdade, guerriando contra si mesmos, contra seus ideais e valores, questionando se o q eles estão fazendo esta certo ou errado e até q ponto vale a pena matar alguem.

Batalha dos Filmes- só os melhores vencerão

A procura de ter algo para postar, inventei a Batalha dos Filmes q vai colocar dois filmes, q tenham alguma relação, lado a lado, avaliando seus prós e contras, suas criticas, seus números de bilheteria, enfim vamos ver qual dos dois é o melhor. Os filmes não serão escolhidos aleatóriamente, sempre vai ter algo q os dois tenham em comum como um tema, um ator, um diretor, a competição por premios ou posições em listas.

Não estou prometendo nada, mas tentarei fazer ao menos uma batalha por semana, então fiquem sempre visitando meu blog, para ver os novos posts.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Continuações, remakes, adaptãções e falta de criatividade

“Nada se cria, tudo se copia” taí uma frase q resume todo este post q vai falar da falta de criatividade de hoje em dia q domina os cinemas com histórias já criadas, mas q mesmo assim rendem milhões.

Comecemos com as adaptações q dos três tópicos eu considero menos pior, pois é apenas uma forma diferente de nos apresentar uma história de um livro ou de um quadrinho. É um jeito de  mostrar o mundo do livro de um jeito mais “real”, nos dando uma idéia melhor sobre como é a vida do protagonista da história,  fazendo o trabalho, antes feito pelas nossas mentes, de imaginar como devia ser tal coisa, tal situação do livro. Nessa categoria temos fortes representantes como o atual Harry Potter, Senhor dos Anéis, as Crônicas de Narnia, O Diabo veste Prada, entre outros q a gente nem fazia idéia que era uma adaptação como a comedia Sim Senhor lançada esse ano, e um dos maiores filmes de todos os tempos: Poderoso Chefão q também entra nesta lista. Sobre adaptações, não tenho muito a dizer já q a maioria delas resulta em continuações, principalmente aquelas originadas de quadrinhos ou livros juvenis, então passemos ao próximo tópico.

As continuações são, sem menor sombra de dúvida, o recurso mais usado hoje em dia pelos produtores para atrair o público e faturar nas bilheterias. Os principais gêneros que lançam continuações são os blockbusters de ação, aventura, comédia, fantasia, terror e ficção cientifica, poucos fogem dessa regra. As histórias na maioria das vezes são previsiveis e forçadas e que são disfarçadas por efeitos especiais estrondosos. Esse “macete” acontece mais em filmes de super heróis e ficção cientifica, onde coisas impossiveis acontecem e que acabam por impressionar o público, lotando assim as salas de cinemas.  Outro aspecto caracterizador dessa categoria são os personagens “imortais” q de alguma maneira bizarra voltam para exculhambar a vida do protagonista, coisa muito comum nos filmes de terror q acabam por se contradizer, como na série Sexta feira 13 onde o vilão Jason morre e renasce um porrilhão de vezes fazendo com q seus titulos não sejam levados a sério como o quarto filme da série chamado “Sexta Feira 13 O capítulo Final” q não é levado a sério já q depois ainda foram lançados 4 continuações.

Já os remakes, como dizem, são facas de dois gumes, pois podem dar tremendamente certo e reviver filmes e séries a muito esquecidas, mas podem dar completamente errado caindo no desgosto do público q diz q nada superará a versão antiga. Muitas das vezes os remakes de filmes não são bem aceitos, ainda mais se a versão original tenha feito muito sucesso, pois  assim sempre haverá comparações, exemplos de remakes q não deram certo pode se citar o recente “O Dia em que a Terra Parou”, “Psicose” (inaceitavel) e “Guerra  dos Mundos”. Mas uma categoria de remakes (q mal pode ser chamado de remake) q acaba por dar certo são aqueles de séries antigas q dão aos adultos de hoje momentos nostálgicos dos velhos sabados de manhã. Alguns filmes q vieram de séries classicas q foram bem aceitas são: Agente 86, As panteras e Missão Impossivel (acreditem se quiser).

Agora, confiram uma lista de próximos lançamentos de continuações, remakes e adaptações:

  1. Alice no País das Maravilhas-dirigido por Tim Burton, parece q vai ser muito foda
  2. Homem de Ferro 2-muitos novos personagens/heróis/vilões
  3. Toy Story 3
  4. Príncipe da Pérsia (prince of persia)
  5. Os Vingadores
  6. Capitão América
  7. Homem Aranha 4-espero q seja melhor q o fracasso do 3
  8. Sex and the City 2
  9. Piratas do Caribe 4-aguardo ancioso
  10. O Hobbit
  11. G.I Joe 2
  12. Conan
  13. Shrek 4 –como vão tirar mais história eu não sei
  14. Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 1 e 2

entre muitos outros, aguardem para mais novidades.

domingo, 2 de agosto de 2009

Harry Potter 6- análise

Depois de muita enrolação, finalmente estou aqui para fazer o q eu prometi, q é fazer a critica do mais novo filme da saga milionária de Harry Potter. Estejam cientes que o texto a seguir contem spoillers- revelações sobre o filme- então se não quiser estragar a surpresa não leia, se quiser, leia e conte para alguem que ainda não viu o filme nem o livro.

Como eu disse anteriormente, esse foi o primeiro filme que eu vi que foi adaptado de um livro que eu li, então tive a oportunidade de conhecer melhor a história e ver o que ficou faltando nesse filme. O livro tem como foco Voldemort e sua história de vida já q Harry passa quase o tempo todo com Dumbledore mostrando-lhe lembranças de Voldemort em sua penseira, para que assim Harry conheça melhor seu inimigo, podendo assim se preparar para a grande batalha final. Essa parte do livro realment é bem cansativa e chatinha, então acho que é por isso que apenas duas dessas lembranças foram mostradas no filme, o que de certa forma foi ao mesmo tempo bom e ruim. Foi bom pois deu mais ritmo ao filme, e foi ruim por deixar de explicar várias coisas de extrema importância para o entedimento de toda saga. Lendo o livro temos mais informações sobre as Horcruxes e quais são elas, além de entendermos todos os problemas da infância de Riddle que o levaram a ser o demônio em pessoa conhecido como Voldemort. Enquanto eu via o filme e percebia que as lembranças foram esquecidas (trocadilho ridiculo) pelo diretor não fiquei tão decepcionado, pois achei que ele optou por tirar essa partes para que haja mais tempo para a grande “batalha” no final e para a comovente cena do velório de Dumbledore, mas não foi isso que aconteceu. Quando li essa parte no livro achei que seria um prato cheio para o diretor lotar de efeitos e garantir um final realmente satisfatório e ao mesmo tempo aperitivo para os próximos 2 longas que encerrarão a saga, mas ele preferiu apelar para o básico, simplesmente tirando essas duas cenas, então temos no final apenas a parte da caverna- que ficou realmente muito boa a proposito- a parte do assassinato de Dumbledore- totalmente diferente do que esta no livro o que eu vou comentar no próximo paragrafo-e uma pequena “homenagem” ao diretor que nem se compara ao seu enterro no livro.

A parte do assassinato de Dumbledore no livro tem todo um contexto de fatos que culminam num final realmente inevitavel, mas no filme a cena poderia ter sido evitada se Harry quisesse, vou mostrar as diferenças entre elas:

Livro: Harry e Dumbledore chegam a Hogwarts logo depois de terem conseguido a suposta horcrux na caverna graças as vassouras que eles pegaram emprestado com a madame Rosmerta quando aparataram em Hogsmeade, no colégio a AD estava lutando contra os comensais da morte que penetraram no castelo através do guarda roupa sumidouro (implantado pelo mais novo comensal Draco Malfoy), Harry a pedido de Dumbledore vai acordar Snape, mas momentos antes ele escuta os comensais subindo as escadas e quando se prepara para lutar Dumbledore o petrifica e o deixa invisivel, então chega Draco que começa a ameaçar o diretor de morte e assim os dois tem uma longa conversa onde Malfoy passa a pensar em desistir da sua missão (matar Dumbledore), mas aí chega os outros comensais e começa um diálogo incrivel entre os presentes cheio de sarcasmo e crueldade até o Snape chegar e concluir a missão de Draco lançando sobre Dumbledore um impiedoso Avada Kedavra. Dessa forma a história ficou mais convincente, reflexiva e realmente inevitavel, Harry não podia se mexer e por isso não pode interferir, agora vejam como foi no filme.

Filme: Harry e Dumbledore aparatam em Hogwarts onde os comensais já os aguardava mas não estavam batalhando com a AD, Dumbledore vai a Torre e manda Harry se esconder numa espécie de subsolo com visão para o andar de cima (o que o possibilitou assistir tudo que estava rolando), então chega Draco com os comensais, troca algumas palavras com Dumbledore e desisti da missão, em seguida aparece Snape no andar onde estava Harry e faz um sinal para ele fazer silêncio, aí sobe e executa Dumbledore, “the end”. Pelo filme pareceu que o Harry “amarelou” e não fez nada para salvar seu querido professor e ficou apenas assistindo. O filme até tenta explicar isso mostrando que Dumbledore pediu para que ele fizesse tudo que este mandasse em qualquer circunstancia, mas de qualquer forma ficar parado não faz o estilo de Harry, então ficou bem estranho toda essa cena.

Fora essas partes importantes do livro, o filme foca também na vida amorosa de seus personagens, e nos mostra um casal inesperado que é Harry e Gina e nos ajuda a ter certeza da quimica entre Rony e Hermione que já vinha se afirmando nos últimos filmes, e que nesse se mostra através do ciume de Hermione por Rony q estava pegando a grudenta Lilá Brown q passa o filme montada nele -quase que literalmente. Na parte amorosa do filme, pouco tenho a reclamar, somente o fato do 1º beijo de Harry e Gina que é muito melhor no livro do que no filme, já que no livro há toda uma emoção desesperada em volta causada pela vitória do time de quadribol na copa e que culmina num beijo público inesperado entre eles.

Mas acho que para aqueles que não leram o livro, o filme foi bem recebido, então eu o recomendo a todos, pois esse filme serve mais como uma aula explicatória para que se entenda toda a porradaria dos dois próximos filmes.

Concluindo, para aqueles que não leram o livro: divirtam-se, e para aqueles que leram: conformem-se.

Ocorreu um erro neste gadget

Top 5 dos EUA

Anúncio